terça-feira, 25 de janeiro de 2011

128 Anos de morte do Pe Ibiapina (Servo de Deus)

Padre José Antônio Maria Ibiapina nasceu no município de Sobral, no Ceará, no dia 5 de agosto de 1806 e morreu no dia 19 de fevereiro de 1883, em Santa Fé de Arara. A tradicional missa celebrada todos os meses, as 15:30h no santuário, sempre no dia 19, pelo bispo Dom Lucena, quer trazer a memória dos fiéis este dia importante, dia do aniversário de morte do Servo de Deus Pe. Ibiapina, que morreu em Santa Fé, lugar onde encontram-se o seu Túmulo, a casa onde ele faleceu, um museu com peças de época usadas pelo padre Ibiapina, o museu da casa da farinha, casa dos milagres etc.
Este ano, no dia 19 de Fevereiro, fazem exatamente 128 anos de sua morte. Espera-se uma grande multidão no Santuário de Santa Fé para participar da celebração da Santa missa que será presidida pelo bispo Diocesano Dom Lucena, a partir das 15:30h.

25 de Janeiro: Conversão de São Paulo



O apóstolo dos gentios e das nações nasceu em Tarso. Da tribo de Benjamim, era judeu de nação. Tarso era mais do que uma colônia de Roma, era um município. Logo, ele recebeu também o título de cidadão romano. O seu pai pertencia à seita dos fariseus. Foi neste ambiente, em meio a tantos títulos e adversidades, que ele foi crescendo e buscando a Palavra de Deus.
Combatente dos vícios, foi um homem fiel a Deus. Paulo de Tarso foi estudar na escola de Gamaliel, em Jerusalém, para aprofundar-se no conhecimento da lei, buscando colocá-la em prática. Nessa época, conheceu o Cristianismo, que era tido como um seita na época. Tornou-se, então, um grande inimigo dessa religião e dos seguidores desta. Tanto que a Palavra de Deus testemunha que, na morte de Santo Estevão, primeiro mártir da Igreja, ele fez questão de segurar as capas daqueles que o [Santo Estevão] apedrejam, como uma atitude de aprovação. Autorizado, buscava identificar cristãos, prendê-los, enfim, acabar com o Cristianismo. O intrigante é que ele pensava estar agradando a Deus. Ele fazia seu trabalho por zelo, mas de maneira violenta, sem discernimento. Era um fariseu que buscava a verdade, mas fechado à Verdade Encarnada. Mas Nosso Senhor veio para salvar todos.
Encontramos, no capítulo 9 dos Atos dos Apóstolos, o testemunho: "Enquanto isso, Saulo só respirava ameaças e morte contra os discípulos do Senhor. Apresentou-se ao príncipe dos sacerdotes e pediu-lhes cartas para as sinagogas de Damasco, com o fim de levar presos, a Jerusalém, todos os homens e mulheres que seguissem essa doutrina. Durante a viagem, estando já em Damasco, subitamente o cercou uma luz resplandecente vinda do céu. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: 'Saulo, Saulo, por que me persegues?'. Saulo então diz: 'Quem és, Senhor?'. Respondeu Ele: 'Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro te é recalcitrar contra o aguilhão'. Trêmulo e atônito, disse Saulo: 'Senhor, que queres que eu faça?' respondeu-lhe o Senhor: 'Levanta-te, entra na cidade, aí te será dito o que deves fazer'".
O interessante é que o batismo de Saulo é apresentado por Ananias, um cristão comum, mas dócil ao Espírito Santo.
Hoje estamos comemorando o testemunho de conversão de São Paulo. Sua primeira pregação foi feita em Damasco. Muitos não acreditaram em sua mudança, mas ele perseverou e se abriu à vontade de Deus, por isso se tornou um grande apóstolo da Igreja, modelo de todos os cristãos.

São Paulo de Tarso, rogai por nós!

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais

Internet deve estar a serviço da pessoa




CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 24 de janeiro de 2011, mensagem de Bento XVI para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, divulgada hoje pelo Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais, por ocasião da festa de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas católicos.
* * *
Verdade, anúncio e autenticidade de vida, na era digital

Queridos irmãos e irmãs!

Por ocasião do XLV Dia Mundial das Comunicações Sociais, desejo partilhar algumas reflexões, motivadas por um fenómeno característico do nosso tempo: a difusão da comunicação através da rede internet. Vai-se tornando cada vez mais comum a convicção de que, tal como a revolução industrial produziu uma mudança profunda na sociedade através das novidades inseridas no ciclo de produção e na vida dos trabalhadores, também hoje a profunda transformação operada no campo das comunicações guia o fluxo de grandes mudanças culturais e sociais. As novas tecnologias estão a mudar não só o modo de comunicar, mas a própria comunicação em si mesma, podendo-se afirmar que estamos perante uma ampla transformação cultural. Com este modo de difundir informações e conhecimentos, está a nascer uma nova maneira de aprender e pensar, com oportunidades inéditas de estabelecer relações e de construir comunhão.
Aparecem em perspectiva metas até há pouco tempo impensáveis, que nos deixam maravilhados com as possibilidades oferecidas pelos novos meios e, ao mesmo tempo, impõem de modo cada vez mais premente uma reflexão séria acerca do sentido da comunicação na era digital. Isto é particularmente evidente quando nos confrontamos com as extraordinárias potencialidades da rede internet e a complexidade das suas aplicações. Como qualquer outro fruto do engenho humano, as novas tecnologias da comunicação pedem para ser postas ao serviço do bem integral da pessoa e da humanidade inteira. Usadas sabiamente, podem contribuir para satisfazer o desejo de sentido, verdade e unidade que permanece a aspiração mais profunda do ser humano.
No mundo digital, transmitir informações significa com frequência sempre maior inseri-las numa rede social, onde o conhecimento é partilhado no âmbito de intercâmbios pessoais. A distinção clara entre o produtor e o consumidor da informação aparece relativizada, pretendendo a comunicação ser não só uma troca de dados, mas também e cada vez mais uma partilha. Esta dinâmica contribuiu para uma renovada avaliação da comunicação, considerada primariamente como diálogo, intercâmbio, solidariedade e criação de relações positivas. Por outro lado, isto colide com alguns limites típicos da comunicação digital: a parcialidade da interacção, a tendência a comunicar só algumas partes do próprio mundo interior, o risco de cair numa espécie de construção da auto-imagem que pode favorecer o narcisismo.
Sobretudo os jovens estão a viver esta mudança da comunicação, com todas as ansiedades, as contradições e a criatividade própria de quantos se abrem com entusiasmo e curiosidade às novas experiências da vida. O envolvimento cada vez maior no público areópago digital dos chamados social network, leva a estabelecer novas formas de relação interpessoal, influi sobre a percepção de si próprio e por conseguinte, inevitavelmente, coloca a questão não só da justeza do próprio agir, mas também da autenticidade do próprio ser. A presença nestes espaços virtuais pode ser o sinal de uma busca autêntica de encontro pessoal com o outro, se se estiver atento para evitar os seus perigos, como refugiar-se numa espécie de mundo paralelo ou expor-se excessivamente ao mundo virtual. Na busca de partilha, de «amizades», confrontamo-nos com o desafio de ser autênticos, fiéis a si mesmos, sem ceder à ilusão de construir artificialmente o próprio «perfil» público.
As novas tecnologias permitem que as pessoas se encontrem para além dos confins do espaço e das próprias culturas, inaugurando deste modo todo um novo mundo de potenciais amizades. Esta é uma grande oportunidade, mas exige também uma maior atenção e uma tomada de consciência quanto aos possíveis riscos. Quem é o meu «próximo» neste novo mundo? Existe o perigo de estar menos presente a quantos encontramos na nossa vida diária? Existe o risco de estarmos mais distraídos, porque a nossa atenção é fragmentada e absorvida por um mundo «diferente» daquele onde vivemos? Temos tempo para reflectir criticamente sobre as nossas opções e alimentar relações humanas que sejam verdadeiramente profundas e duradouras? É importante nunca esquecer que o contacto virtual não pode nem deve substituir o contacto humano directo com as pessoas, em todos os níveis da nossa vida.
Também na era digital, cada um vê-se confrontado com a necessidade de ser pessoa autêntica e reflexiva. Aliás, as dinâmicas próprias dos social network mostram que uma pessoa acaba sempre envolvida naquilo que comunica. Quando as pessoas trocam informações, estão já a partilhar-se a si mesmas, a sua visão do mundo, as suas esperanças, os seus ideais. Segue-se daqui que existe um estilo cristão de presença também no mundo digital: traduz-se numa forma de comunicação honesta e aberta, responsável e respeitadora do outro. Comunicar o Evangelho através dos novos midiasignifica não só inserir conteúdos declaradamente religiosos nas plataformas dos diversos meios, mas também testemunhar com coerência, no próprio perfil digital e no modo de comunicar, escolhas, preferências, juízos que sejam profundamente coerentes com o Evangelho, mesmo quando não se fala explicitamente dele. Aliás, também no mundo digital, não pode haver anúncio de uma mensagem sem um testemunho coerente por parte de quem anuncia. Nos novos contextos e com as novas formas de expressão, o cristão é chamado de novo a dar resposta a todo aquele que lhe perguntar a razão da esperança que está nele (cf. 1 Pd 3, 15).
O compromisso por um testemunho do Evangelho na era digital exige que todos estejam particularmente atentos aos aspectos desta mensagem que possam desafiar algumas das lógicas típicas daweb. Antes de tudo, devemos estar cientes de que a verdade que procuramos partilhar não extrai o seu valor da sua «popularidade» ou da quantidade de atenção que lhe é dada. Devemos esforçar-nos mais em dá-la conhecer na sua integridade do que em torná-la aceitável, talvez «mitigando-a». Deve tornar-se alimento quotidiano e não atracção de um momento. A verdade do Evangelho não é algo que possa ser objecto de consumo ou de fruição superficial, mas dom que requer uma resposta livre. Mesmo se proclamada no espaço virtual da rede, aquela sempre exige ser encarnada no mundo real e dirigida aos rostos concretos dos irmãos e irmãs com quem partilhamos a vida diária. Por isso permanecem fundamentais as relações humanas directas na transmissão da fé!
Em todo o caso, quero convidar os cristãos a unirem-se confiadamente e com criatividade consciente e responsável na rede de relações que a era digital tornou possível; e não simplesmente para satisfazer o desejo de estar presente, mas porque esta rede tornou-se parte integrante da vida humana. A web está a contribuir para o desenvolvimento de formas novas e mais complexas de consciência intelectual e espiritual, de certeza compartilhada. Somos chamados a anunciar, neste campo também, a nossa fé: que Cristo é Deus, o Salvador do homem e da história, Aquele em quem todas as coisas alcançam a sua perfeição (cf. Ef 1, 10). A proclamação do Evangelho requer uma forma respeitosa e discreta de comunicação, que estimula o coração e move a consciência; uma forma que recorda o estilo de Jesus ressuscitado quando Se fez companheiro no caminho dos discípulos de Emaús (cf. Lc 24, 13-35), que foram gradualmente conduzidos à compreensão do mistério mediante a sua companhia, o diálogo com eles, o fazer vir ao de cima com delicadeza o que havia no coração deles.
Em última análise, a verdade que é Cristo constitui a resposta plena e autêntica àquele desejo humano de relação, comunhão e sentido que sobressai inclusivamente na participação maciça nos váriossocial network. Os crentes, testemunhando as suas convicções mais profundas, prestam uma preciosa contribuição para que a web não se torne um instrumento que reduza as pessoas a categorias, que procure manipulá-las emotivamente ou que permita aos poderosos monopolizar a opinião alheia. Pelo contrário, os crentes encorajam todos a manterem vivas as eternas questões do homem, que testemunham o seu desejo de transcendência e o anseio por formas de vida autêntica, digna de ser vivida. Precisamente esta tensão espiritual própria do ser humano é que está por detrás da nossa sede de verdade e comunhão e nos estimula a comunicar com integridade e honestidade.
Convido sobretudo os jovens a fazerem bom uso da sua presença no areópago digital. Renovo-lhes o convite para o encontro comigo na próxima Jornada Mundial da Juventude em Madrid, cuja preparação muito deve às vantagens das novas tecnologias. Para os agentes da comunicação, invoco de Deus, por intercessão do Patrono São Francisco de Sales, a capacidade de sempre desempenharem o seu trabalho com grande consciência e escrupulosa profissionalidade, enquanto a todos envio a minha Bênção Apostólica.

Vaticano, Festa de São Francisco de Sales, 24 de Janeiro de 2011.
BENEDICTUS PP. XVI

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

DIOCESE DE GUARABIRA: 21 de janeiro: Dia Mundial da Religião

DIOCESE DE GUARABIRA: 21 de janeiro: Dia Mundial da Religião: "O Dia Mundial da Religião deve celebrar a tolerância e o diálogo entre todas as pessoas que acreditam no princípio da bondade e na força g..."

21 de janeiro: Dia Mundial da Religião



O Dia Mundial da Religião deve celebrar a tolerância e o diálogo entre todas as pessoas que acreditam no princípio da bondade e na força geradora de vida que vem de Deus. De fato, todos que seguem uma religião têm intimamente a crença na existência do Divino que rege nossa vida e que nos chama a compartilhar a essência da caridade para uma vida melhor.
                Então, por que há tanta intolerância, raiva e competição entre os seguidores das diferentes religiões? Deveria a religião ser um ponto de divisão e desentendimento entre os seres humanos?
Como os católicos devem se comportar diante de tantas linhas religiosas, algumas mais antigas que o próprio cristianismo? Para o papa João Paulo II, em sua declaração Dominus Iesus, a Igreja católica não rejeita absolutamente nada daquilo que há de verdadeiro e santo nessas religiões. Considera com sincero respeito esses modos de agir e de viver, esses preceitos e doutrinas que, embora em muitos pontos estejam em discordância com aquilo que ela afirma e ensina, muitas vezes refletem um raio daquela Verdade que ilumina todos os homens.
Nesse sentido, a Igreja católica está cada vez mais empenhada na sua missão de evangelizar, administrando as diferenças religiosas com flexibilidade, respeito e caridade.
Hoje, há religiões tão variadas quanto as culturas desenvolvidas pelo ser humano. Podem ser classificadas em três tipos básicos:
- Monoteísmo: crença em um único Deus supremo. As grandes religiões monoteístas são o cristianismo e suas variações, o judaísmo e o islamismo.
- Politeísmo: adoração de vários deuses, como é o caso do hinduísmo, do budismo, do confucionismo, do xintoísmo e do taoísmo.
- Dualismo: crença na igualdade de forças entre o bem e o mal, típica do zoroastrismo.
O diálogo inter-religioso é de extrema importância para o entendimento das pessoas e para a manutenção da paz entre os povos. O respeito pela religião alheia é princípio básico da boa convivência e da caridade cristã.
O cristianismo sofreu algumas divisões no decorrer dos seus dois mil anos de história. Primeiro a Igreja católica do Ocidente se separou da Igreja católica do Oriente, e a cristandade se dividiu entre católicos romanos e ortodoxos.
Mais tarde, o monge Martinho Lutero se rebelou contra a Santa Sé e se desligou de Roma. Esse evento deu origem ao protestantismo. Dentro deste, existem inúmeras divisões que surgiram devido ao livre exame da Bíblia pregado pelo próprio Lutero.
Desde o Concílio Vaticano II, a Igreja católica tem se esforçado mais efetivamente em promover o diálogo entre as várias denominações cristãs, para reunir novamente o corpo místico de Cristo numa única Igreja.
Referência:
Datas comemorativas: cívicas e históricas

Jubileu de 50 anos de Vida Religiosa da Ir. Naíse.

No próximo dia 18 de Fevereiro a Ir. Maria Naíse Leite (Ir. Naíse) celebrará o seu jubileu de 50 anos de Vida Religiosa. Para marcar essa data importante, o Bispo Dom Lucena presidirá uma missa em ação de graças, a partir das 19:30h na capela de Nossa Senhora do Rosário, Bairro do Rosário, Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe em Guarabira-PB.
A capela do bairro do Rosário tem significado importante nessa caminhada, pois foi lá, que juntamente com a sua Congregação a Fraternidade de Vida Apostólica Irmãs dos Pobres, que ela deu início ao seu trabalho missionário na Diocese de Guarabira-Pb.

Ir. Naíse, 30 anos como Chanceler da Cúria Diocesana
            Em 1976, foi criada a Região Episcopal do Brejo, animada pelo então Bispo Auxiliar, Dom Marcelo Pinto Carvalheira.
            A partir de fevereiro de 1977, a Ir. Naíse Leite, tendo vindo transferida do Colégio de Itabaiana para o Colégio Nossa Senhora da Luz, em Guarabira, iniciou, junto a Dom Marcelo, seus trabalhos como secretária da Região Episcopal.
            Na época a Irmã fazia parte da Congregação das Irmãs dos Pobres de Santa Catarina de Sena. Pela manhã, lecionava Português no Colégio de sua Congregação e, à tarde, dava expediente na Cúria da futura Diocese.
            E quando foi criada a Diocese de Guarabira, a Ir. Naíse foi nomeada Chanceler da Cúria Diocesana, conforme Circular do Bispo Dom Marcelo, nestes termos: “A Secretária da Cúria, com os direitos e tarefas que lhe cabem, é a Ir. Naíse Leite, que já tem atendido com dedicação e competência aos trabalhos de secretaria da Casa Episcopal” (Cf. Circular n. 01/82, item 3, função que exerce até os dias atuais.
            A Ir. Naíse tem desenvolvido esse trabalho com amor, dedicação e responsabilidade. Mesmo sendo um trabalho burocrático, ele está a serviço do Reino de Deus.
Além de Chanceler, a religiosa assume também a função de Notária da Câmara Eclesiástica da Diocese, que ela considera uma grande missão. Com seus 75 anos de idade, continua trabalhando com alegria e muito feliz.
            Hoje, pertence à Fraternidade de Vida Apostólica das Irmãs dos Pobres, onde com suas Irmãs mora na periferia de Guarabira, ao lado dos mais pobres.  A sua missão principal está aí: sendo uma presença gratuita e amorosa ao lado dos humildes e pobres. Sente-se realizada com a sua vocação religiosa, a serviço de Deus, da Igreja e dos pobres de Javé.

Diocese de Guarabira tem nova Casa de Missão da Comunidade Doce Mãe de Deus

Com a celebração da Santa Missa presidida pelo Senhor Bispo da Diocese de Guarabira, Dom Francisco de Assis Dantas de Lucena, no último domingo (16/01), às 11hs, foi aberta mais uma casa de missão da Comunidade Doce Mãe de Deus em nossa Diocese. A pedido do Senhor Bispo, a comunidade abriu mais uma casa na cidade de Bananeiras/PB, nas instalações do antigo Carmelo. Estavam presentes membros do conselho da CDMD, vários consagrados e as missões da comunidade mais próximas. Na alegria da vida missionária, a comunidade Doce Mãe de Deus chega a mais uma cidade da Diocese de Guarabira.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Papa João Paulo II é escolhido padroeiro da Jornada Mundial da Juventude.

O presidente do Pontifício Conselho para Leigos, cardeal Stanislaw Rylko anunciou nesta sexta-feira, 14 que o papa João Paulo II, após a beatificação no dia 1 de maio, será o novo padroeiro da Jornada Mundial da Juventude (JMJ).
O anúncio foi feito em Madri, Espanha, onde acontecerá a Jornada Mundial da Juventude entre os dias 16 e 21 de agosto deste ano.
“Estamos felizes de termos entre os nossos padroeiros também João Paulo II”, disse dom Ryłko. O anúncio da escolha do novo padroeiro foi anunciada após a segunda reunião preparatória com a participação de delegados de 84 países e 44 movimentos e associações de todo o mundo.

Jornada Mundial da Juventude

A Jornada Mundial da Juventude foi criada pelo papa João Paulo II em 1985 e aconteceu pela primeira vez em 1986, em Roma. Desde então, vem sendo feita, em média, a cada dois anos em diversos países e com temas propostos pelos papas, que marcam presença no evento.
“A esperança de um mundo melhor está numa juventude sadia, com valores, responsável e, acima de tudo, voltada para Deus e para o próximo", disse o papa João Paulo II em carta ao Cardeal Eduardo Francisco Pironio, na ocasião do Seminário sobre as Jornadas Mundiais da Juventude organizado na Polônia.
Durante a JMJ, jovens do mundo inteiro participam de shows, catequese, adoração, missas e palestras. Tudo isso em diversas línguas. Na última edição, que aconteceu em 2008, na Austrália, o evento reuniu mais de 1 milhão de jovens. Apesar de ser proposta pela Igreja Católica, é um convite à juventude mundial.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Mensagem do papa Bento XVI para o Dia Mundial do Enfermo 2011 .


O papa Bento XVI divulgou hoje, 18, a mensagem do Dia Mundial do Enfermo 2011, que é celebrado no dia 11 de fevereiro. Nesta 19ª edição, o papa diz que é a ocasião propícia para “refletir sobre o ministério do sofrimento e, sobretudo, para tornar as nossas comunidades e a sociedade civil mais sensível aos irmãos e irmãs doentes”.
Bento XVI cita a Carta Encíclica Spe Salvi quando afirma que “a grandeza da humanidade determina-se essencialmente na relação com o sofrimento e com quem sofre. Isto vale tanto para o indivíduo como para a sociedade. Uma sociedade que não consegue aceitar os que sofrem não é capaz de contribuir”.
O papa manda um recado aos participantes da Jornada Mundial da Juventude, que acontecerá em agosto, em Madri (ESP), afirmando que com frequência a Paixão e a Cruz de Jesus causam medo, porque parecem ser a negação da vida. “Na realidade, é exatamente o contrário! A Cruz é o ‘sim’ de Deus ao homem, a expressão mais elevada e intensa do seu amor e a fonte da qual brota a vida eterna. Do Coração trespassado de Jesus brotou esta vida divina. Só Ele é capaz de libertar o mundo do mal e de fazer crescer o seu Reino de justiça, de paz e de amor ao qual todos aspiramos. A todos vós jovens, doentes e sadios, repito o convite a criar pontes de amor e solidariedade, para que ninguém se sinta sozinho, mas próximo de Deus e parte da grande família dos seus filhos”.
Leia abaixo a íntegra da mensagem do papa Bento XVI para o 19º Dia Mundial do Doente.

Mensagem do papa Bento XVI para o 19º Dia Mundial do Doente

«Pelas suas chagas fostes curados» (1 Pd 2, 24).
Queridos Irmãos e Irmãs!

Todos os anos, na memória da Bem-Aventurada Virgem de Lourdes, que se celebra no dia 11 de fevereiro, a Igreja propõe o Dia Mundial do Doente. Esta circunstância, como quis o venerável João Paulo II, torna-se a ocasião propícia para refletir sobre o mistério do sofrimento e, sobretudo, para tornar as nossas comunidades e a sociedade civil mais sensíveis aos irmãos e irmãs doentes. Se todos os homens são nossos irmãos, aquele que é débil, sofredor ou necessitado de cuidado deve estar mais no centro da nossa atenção, para que nenhum deles se sinta esquecido ou marginalizado; com efeito “a grandeza da humanidade determina-se essencialmente na relação com o sofrimento e com quem sofre. Isto vale tanto para o indivíduo como para a sociedade. Uma sociedade que não consegue aceitar os que sofrem não é capaz de contribuir, mediante a compaixão, para fazer com que o sofrimento seja compartilhado e assumido mesmo interiormente é uma sociedade cruel e desumana” (Carta enc. Spe Salvi, 38).
As iniciativas que serão promovidas nas diversas Dioceses, por ocasião deste Dia, sirvam de estímulo para tornar cada vez mais eficaz o cuidado para com os sofredores, também na perspectiva da celebração de modo solene, que terá lugar em 2013, no Santuário mariano de Altötting, na Alemanha.
1. Tenho ainda no coração o momento em que, durante a visita pastoral a Turim, pude deter-me em reflexão e oração diante do Santo Sudário, diante daquele rosto sofredor, que nos convida a meditar sobre Aquele que carregou sobre si a paixão do homem de todos os tempos e lugares, inclusive os nossos sofrimentos, as nossas dificuldades e os nossos pecados. Quantos fieis, no curso da história, passaram diante daquele tecido sepulcral, que envolveu o corpo de um homem crucificado, que corresponde em tudo ao que os Evangelhos nos transmitem sobre a paixão e a morte de Jesus! Contemplá-lo é um convite a refletir sobre quanto escreve São Pedro: “Pelas suas chagas fostes curados“ (1 Pd 2, 24). O Filho de Deus sofreu, morreu, mas ressuscitou, e exatamente por isso aquelas chagas tornam-se o sinal da nossa redenção, do perdão e da reconciliação com o Pai; tornam-se, contudo, também um banco de prova para a fé dos discípulos e para a nossa fé: todas as vezes que o Senhor fala da sua paixão e morte, eles não compreendem, rejeitam, opõem-se. Para eles, como para nós, o sofrimento permanece sempre carregado de mistério, difícil de aceitar e suportar. Os dois discípulos de Emaús caminham tristes, devido aos acontecimentos daqueles dias em Jerusalém, e só quando o Ressuscitado percorre a estrada com eles, se abrem a uma visão nova (cf. Lc 24, 13-31). Também o apóstolo Tomé mostra a dificuldade em crer na via da paixão redentora: “Se eu não vir o sinal dos cravos nas suas mãos, se não meter o dedo no lugar dos cravos e a mão no seu lado, não acreditarei” (Jo 20, 25). Mas diante de Cristo que mostra as suas chagas, a sua resposta transforma-se numa comovedora profissão de fé: “Meu Senhor e meu Deus” (Jo 20, 28). O que antes era um obstáculo intransponível, porque sinal da aparente falência de Jesus torna-se, no encontro com o Ressuscitado, a prova de um amor vitorioso: “Somente um Deus que nos ama a ponto de carregar sobre si as nossas feridas e a nossa dor, sobretudo a dor inocente, é digno de fé” (Mensagem Urbi et Orbi, Páscoa de 2007).
2. Queridos doentes e sofredores, é justamente através das chagas de Cristo que podemos ver, com olhos de esperança, todos os males que afligem a humanidade. Ressuscitando, o Senhor não tirou o sofrimento e o mal do mundo, mas extirpou-os pela raiz. À prepotência do Mal opôs a onipotência do seu Amor. Indicou-nos então, que o caminho da paz e da alegria é o Amor: “Como Eu vos amei, vós também vos deveis amar uns aos outros” (Jo 13, 34). Cristo, vencedor da morte, está vivo no meio de nós E enquanto com São Tomé dizemos também: “Meu Senhor e meu Deus”, seguimos o nosso Mestre na disponibilidade a prodigalizar a vida pelos nossos irmãos (cf. 1 Jo 3, 16), tornando-nos mensageiros de uma alegria que não teme a dor, a alegria da Ressurreição.
São Bernardo afirma: “Deus não pode padecer, mas pode compadecer”. Deus, a Verdade e o Amor em pessoa, quis sofrer por nós e conosco; fez-se homem para poder compadecer com o homem, de modo real, em carne e sangue. Em cada sofrimento humano, portanto, entrou Aquele que partilha o sofrimento e a suporta; em cada sofrimento difunde-se a con-solatio, a consolação do amor partícipe de Deus para fazer surgir à estrela da esperança (cf. Carta enc. Spe salvi, 39).
A vós, queridos irmãos e irmãs, repito esta mensagem, para que sejais suas testemunhas através do vosso sofrimento, da vossa vida e da vossa fé.
3. Considerando o encontro de Madrid, no mês de Agosto de 2011, para a Jornada Mundial da Juventude, gostaria de dirigir também um pensamento especial aos jovens, especialmente aos que vivem a experiência da doença. Com frequência a Paixão e a Cruz de Jesus causam medo, porque parecem ser a negação da vida. Na realidade, é exatamente o contrário! A Cruz é o “sim” de Deus ao homem, a expressão mais elevada e intensa do seu amor e a fonte da qual brota a vida eterna. Do Coração trespassado de Jesus brotou esta vida divina. Só Ele é capaz de libertar o mundo do mal e de fazer crescer o seu Reino de justiça, de paz e de amor ao qual todos aspiramos (cf. Mensagem para a Jornada Mundial da Juventude de 2011, 3). Queridos jovens, aprendei a “ver” e a “encontrar” Jesus na Eucaristia, onde Ele está presente de modo real para nós, até se fazer alimento para o caminho, mas sabei reconhecê-lo e servi-lo também nos pobres, nos doentes, nos irmãos sofredores e em dificuldade, que precisam da vossa ajuda (cf. ibid., 4).
A todos vós jovens, doentes e sadios, repito o convite a criar pontes de amor e solidariedade, para que ninguém se sinta sozinho, mas próximo de Deus e parte da grande família dos seus filhos (cf. Audiência geral, 15 de Novembro de 2006).
4. Ao contemplar as chagas de Jesus o nosso olhar dirige-se ao seu Sacratíssimo Coração, no qual se manifesta em sumo grau o amor de Deus. O Sagrado Coração é Cristo crucificado, com o lado aberto pela lança, do qual brotam sangue e água (cf. Jo 19, 34), “símbolo dos sacramentos da Igreja, para que todos os homens, atraídos pelo Coração do Salvador, bebam com alegria na fonte perene da salvação” (Missal Romano, Prefácio da Solenidade do Sacratíssimo Coração de Jesus). Especialmente vós, queridos doentes, sentis a proximidade deste Coração cheio de amor e bebeis com fé e alegria de tal fonte, rezando: “Água do lado de Cristo, lava-me. Paixão de Cristo, fortalece-me. Oh, bom Jesus, ouve-me. Nas tuas chagas, esconde-me” (Oração de Santo Inácio de Loyola).
5. Na conclusão desta minha Mensagem para o próximo Dia Mundial do Doente, desejo exprimir o meu afeto a todos e a cada um, sentindo-me partícipe dos sofrimentos e das esperanças que viveis quotidianamente em união com Cristo crucificado e ressuscitado, para que vos conceda a paz e a cura do coração. Juntamente com Ele ao vosso lado vigie a Virgem Maria, que invocamos com confiança como Saúde dos enfermos e Consoladora dos sofredores. Aos pés da Cruz realiza-se para Ela a profecia de Simeão: o seu Coração de Mãe é trespassado (cf. Lc 2, 35). Do abismo da sua dor, participação no sofrimento do Filho, Maria tornou-se capaz de assumir a nova missão: tornar-se a Mãe de Cristo nos seus membros. Na hora da Cruz, Jesus apresenta-lhe cada um dos seus discípulos, dizendo-lhe: «Eis o teu filho» (cf. Jo 19, 26-27). A compaixão materna para com o Filho torna-se compaixão materna para cada um de nós nos nossos sofrimentos quotidianos (cf. Homilia em Lourdes, 15 de Setembro de 2008).
Queridos irmãos e irmãs, neste Dia Mundial do Doente, exorto também as Autoridades a fim de que invistam cada vez mais energias em estruturas médicas que sirvam de ajuda e apoio aos sofredores, sobretudo aos mais pobres e necessitados e, dirigindo o meu pensamento a todas as Dioceses, transmito uma saudação afetuosa aos Bispos, aos sacerdotes, às pessoas consagradas, aos seminaristas, aos agentes no campo da saúde, aos voluntários e a todos os que se dedicam com amor a cuidar e aliviar as chagas de cada irmão e irmã doente, nos hospitais ou casas de cura, nas famílias: nos rostos dos doentes sabei ver sempre o Rosto dos rostos: o de Cristo.
A todos garanto a minha recordação na oração, enquanto concedo a cada um a especial Bênção Apostólica.
Vaticano, 21 de Novembro de 2010.
Papa Bento XVI

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Bento XVI manifesta solidariedade às vítimas das chuvas no Rio de Janeiro



O papa Bento XVI enviou, nesta sexta-feira, 14, mensagem de solidariedade às vítimas das chuvas na região serrana do Rio de Janeiro. Em telegrama assinado pelo secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcísio Bertone, o papa se diz “consternado com as trágicas consequências das fortes chuvas que atingiram a região serrana do Estado do Rio de Janeiro, particularmente Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo”.
Bento XVI manifesta sua “solidariedade espiritual ao querido povo fluminense, nessa hora difícil” e "recomenda as vítimas a Deus misericordioso e implora a assistência e consolação divina para os desalojados e quantos sofrem física e moralmente, enviando-lhes uma propiciadora bênção apostólica”. O telegrama foi enviado ao bispo de Petrópolis, dom Filippo Santoro.

Os números da maior tragédia climática do país não param de crescer. Os mortos já passam de 580 e são milhares de desabrigados e desalojados na região serrana do Rio. A presidente Dilma Rousseff decretou ontem luto oficial de três dias pelas vítimas dos temporais que assolaram vários municípios do País. Neste sábado, o governador do Rio, Sérgio Cabral, decretou luto oficial de sete dias no Estado.

Solidariedade
A solidariedade vem de toda parte do país. O bispo de Petrópolis, dom Filippo Santoro, e o de Nova Friburgo, dom Edney Gouvêa Mattoso, percorreram as áreas atingidas de suas respectivas dioceses cujos padres, seminaristas e religiosos estão trabalhando no atendimento às famílias desabrigadas ou desalojadas. As paróquias e casas religiosas estão recebendo as famílias que perderam tudo e não têm onde dormir e como se alimentar. Também se transformaram em postos de arrecadação de donativos.

Os seminaristas da diocese de Petrópolis passaram o dia 13 doando sangue para o atendimento emergencial dos feridos mais graves. Foi aberta também uma conta chamada “SOS Serra”, no Bradesco – agência 4014, conta 114134-1 – da mitra diocesana.
"A situação na Diocese de Petrópolis é dramática, sobretudo nos dois focos da própria cidade de Petrópolis, em particular Itaipava, no Vale de Cuiabá, e em Teresópolis, onde o desastre é ainda maior. Os padres estão todos mobilizados, as igrejas estão à disposição, recolhendo desabrigados em primeiro lugar, dando primeiros socorros, as refeições diárias e recolhendo mantimentos", ressaltou Dom Filippo Santoro.

A CNBB
e a Caritas Brasileira também lançaram a campanha SOS SUDESTE. As doações podem ser feitas pelas contas Caixa Econômica Federal - Agência 1041 – OP. 003 - Conta Corrente 1490-8 ou
Banco do Brasil - Agência 3475-4 - Conta Corrente 32.000-5.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Papa João Paulo II será beatificado em maio .

Nesta sexta-feira, 14, o papa Bento XVI aprovou a publicação do decreto que comprova um milagre atribuído à intercessão de João Paulo II. A beatificação está marcada para 1º de Maio, domingo da Divina Misericórdia.
A data escolhida para a beatificação recorda a celebração litúrgica mais próxima da morte de João Paulo II, que faleceu na véspera da festa da Divina Misericórdia.
O milagre, agora confirmado, refere-se à cura da freira francesa Marie Simon Pierre, que sofria da doença de Parkinson. A religiosa pertence à congregação das Irmãzinhas das Maternidades Católicas e trabalha em Paris, França, tendo superado, em 2005, todos os sintomas da doença de que sofria há quatro anos.
Segundo o cardeal Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, dom Ângelo Amato, o decreto sobre a cura da irmã Marie Simon é o que terá mais ressonância na Igreja Católica e no mundo.
No dia 13 de Maio de 2005, apenas quarenta e dois dias após a morte de João Paulo II, o papa Bento XVI anunciou o início imediato do processo de canonização de Karol Wojtyla, dispensando o prazo canônico de cinco anos para a promoção da causa. Ainda em dezembro de 2009, o atual Papa assinou o decreto que reconhece as “virtudes heróicas” de Karol Wojtyla, primeiro passo para a beatificação.

João Paulo II foi papa entre 16 de outubro de 1978 e 2 de abril de 2005, quando faleceu após mais de 25 anos como Sucessor de São Pedro.

Campanha SOS Sudeste (CNBB e Cáritas Brasileira)

              Assim como no Rio, as chuvas castigam toda a Região Sudeste. De acordo com a Defesa Civil, mais de 1 milhão de pessoas já estão afetadas pelos temporais. Inundações, enchentes, deslizamentos, mortes e desabrigo atingem também municípios inteiros nos Estados de São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais. Diante desse cenário, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Cáritas Brasileira, atendendo à sua missão, lançaram no dia (13) uma campanha nacional de emergência. A SOS Sudeste visa a mobilizar ajuda para a população da Região Sudeste afetada pelas chuvas.

A solidariedade poderá vir em forma de recursos financeiros e deverá ser depositada na conta da Caixa Econômica Federal (CEF) – Agência 1041 – OP. 003 – Conta Corrente 1490-8; ou na do Banco do Brasil – Agência 3475-4 – Conta Corrente 32.000-5.

CNBB divulga nota de solidariedade às vítimas das chuvas.


“Somos afligidos de todos os lados, mas não vencidos pela angústia; postos em apuros, mas não desesperançados; derrubados, mas não aniquilados” (2Cor 4,8-9).

O Brasil acompanha com dor, mais uma vez, as tragédias causadas pelas chuvas em vários estados do país, neste início de ano, de maneira especial, na região serrana do estado do Rio de Janeiro, Sul de Minas, Espírito Santo e São Paulo. Causa-nos tristeza profunda o crescente número de mortos, bem como dos desabrigados que perderam seus entes queridos e assistiram à destruição inclemente de suas casas e de seus bens.

Às vítimas desta dramática situação a CNBB vem manifestar sua solidariedade, ao mesmo tempo em que conclama a sociedade brasileira a intensificar suas doações, a fim de aliviar a dor e reavivar a esperança na certeza da superação de tamanha tragédia. Este gesto será facilitado com a campanha SOS SUDESTE, que a CNBB, juntamente com a Cáritas Brasileira, acaba de lançar apresentando a Conta 1490-8, Agência 1041 - OP. 003 – Caixa Econômica Federal e também a Conta 32.000-5, Agência 3475-4, Banco do Brasil, para doações.

Muitas destas tragédias poderiam ser evitadas ou, pelo menos, minimizadas se ações preventivas fossem tomadas, considerando o histórico de regiões que, ano após ano, vivem o mesmo drama. A CNBB confia, portanto, que as autoridades competentes se comprometam eficazmente na busca de solução para que catástrofes como estas a que assistimos não se repitam, vitimando milhares de pessoas.

Elevamos a Deus nossas preces pelos que morreram e por todos que sofrem com esta tragédia. Que Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, venha em socorro de seus filhos e filhas.
Brasília, 13 de janeiro de 2011

Dom Geraldo Lyrio Rocha
Arcebispo de Mariana
Presidente da CNBB

Dom Luiz Soares Vieira
Arcebispo de Manaus
Vice-presidente da CNBB

Dom Dimas Lara Barbosa
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro
Secretário Geral da CNBB

Foto: Bruno Domingues/Reuters

Igreja se mobiliza em favor das vítimas das chuvas no Rio de Janeiro

As chuvas intensas que assolam a região serrana do estado do Rio de Janeiro já causaram mais de 350 mortes, em Petrópolis, Nova Friburgo e Teresópolis. O bispo de Petrópolis, dom Filippo Santoro, descreve a situação como dramática.
“A situação na diocese de Petrópolis é dramática, sobretudo nos dois focos da própria cidade, em particular, Itaipava, e o Vale de Cuiabá, em Teresópolis, onde o desastre é ainda maior”, disse o bispo.
Segundo dom Filippo, os padres da diocese estão mobilizados e as igrejas estão recebendo os desabrigados, prestando os primeiros socorros e recolhendo mantimentos. “Muitas regiões ainda não foram visitadas porque é impossível o acesso, pois os rios bloquearam os caminhos. Sabe-se que tem pessoas, mas não há como alcançá-las. Por isso, juntamente com os bombeiros, os padres e a comunidade estão tentando ajudar a todos”, afirmou dom Filippo.
O vigário episcopal para Caridade Social da arquidiocese do Rio de Janeiro, padre Manuel de Oliveira Manangão também falou sobre as medidas adotadas diante da situação. “Logo que tivemos a notícia da tragédia que se abateu sobre Friburgo, Teresópolis e Petrópolis, colocamos em ação a nossa Cáritas, no sentido primeiro de verificar os recursos que pudessem ser repassados imediatamente de um fundo de reserva que nós temos para essas eventualidades”, disse padre Manangão. A catedral do Rio de Janeiro também está recebendo donativos e mantimentos para os desabrigados.
A diocese lançou a campanha SOS Serra e abriu a conta 11.4134-1, Agência 4014, Banco Bradesco, para receber doações. De acordo com dom Filippo, a Caritas do Rio de Janeiro já enviou R$ 20 mil à diocese de Petrópolis para socorrer os desabrigados. A CNBB e a Cáritas Brasileira também deverão lançar uma campanha nacional para ajudar as vítimas.
Em nota nesta quinta-feira, 13, o arcebispo de Belo Horizonte (MG), dom Walmor Oliveira de Azevedo, expressou sua “solidariedade e comunhão” com as vítimas das fortes chuvas que atingem, “tanto a região Sul de Minas Gerais quanto os municípios da região serrana do Rio de Janeiro”.
Os bispos do Regional Nordeste 5 da CNBB (Maranhão), reunidos em Carolina, sul do Maranhão, também se manifestaram em nota assinada pelo arcebispo de São Luís, dom José Belisário da Silva. “Neste momento de dor, queremos manifestar-lhe nossa solidariedade. Acompanhamos com nossas orações o seu sofrimento e de seu povo”.

Foto retirada do site G1, que retrata a cidade de Itaipava, Região Serrana do Rio de Janeiro.
Fonte: CNBB

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

FESTA DE NOSSA SENHORA DA LUZ 2011


A Catedral de Nossa Senhora da Luz em Guarabira, divulgou no último dia 06, a programação da festa em honra a Nossa Senhora da Luz, padroeira da cidade e da diocese de Guarabira.
A programação terá seu início (abertura), no dia 23, ás 19h, com uma celebração solene que será presidida pelo Bispo Diocesano Dom Lucena.
O novenário de Nossa Senhora da Luz contará com a presença de vários padres da Diocese de Guarabira, com início no dia 24 de Janeiro e se estenderá até o dia 1º de Fevereiro. Este ano, além dos dois horários de costume, às 16h e às 19:30, acontecerá também a novena no horário das 6h da manhã.
No dia 02 de fevereiro, dia de Nossa Senhora da Luz, Dom Lucena presidirá a celebração solene às 8h da manhã, e a tarde, a partir das 16h, acontecerá à tradicional procissão que percorrerá as principais ruas da cidade terminando com a Santa Missa, no Largo da Catedral de Nossa Senhora da Luz.

PROGRAMAÇÃO
23 de Janeiro (Domingo) Abertura
19:00h - Missa Solene de Abertura do Novenário
Celebrante: Dom Lucena
Equipe de Liturgia: ECC
24 de Janeiro (Segunda) 1º DIA DE NOVENA
* 06:00h
Celebrante: Pe. Paulo José
Liturgia: Com. N. Sra. Aparecida (Manoel Lordão)
* 16:00h
Celebrante: Pe. Elias Sales
Liturgia: VPJ
Acolhida: Apostolado da Oração
* 19:30h
Celebrante: Pe. Pedro Alexandre
Liturgia: EJC
Acolhida: EJC
25 de Janeiro (Terça) 2º DIA DE NOVENA
* 06:00h
Celebrante: Mons. Luís Pescarmona
Liturgia: Carmelitas
* 16:00h
MISSA DE ORDENAÇÃO SACERDOTAL DOS DIÁCONOS
HERIBERTO GOMES, JOSÉ ANTÔNIO E MARCOS ANTÔNIO
* 19:30h
Celebrante: Pe. Joaquim Felipe
Liturgia: Nova Aliança
Acolhida: Grupo Boa Nova – RCC
26 de Janeiro (Quarta) 3º DIA DE NOVENA
* 06:00h
Celebrante: Pe. Paulo José
Liturgia: Com. Santa Terezinha
* 16:00h
Celebrante: Mons. Luís Pescarmona
Liturgia: Nova Missão
Acolhida: Grupos da RCC
* 19:30h
Celebrante: Pe. Marinaldo da Silva
Liturgia: N. Sra. das Graças
Acolhida: ECC
27 de Janeiro (Quinta) 4º DIA DE NOVENA
* 06:00h
Celebrante: Mons. Luís Pescarmona
Liturgia: Com. N. Sra. Aparecida (Manoel Lordão)
* 16:00h
Celebrante: Pe. Paulo Roberto
Liturgia: Paróquia Ssma. Trindade
Acolhida: Mãe Rainha
* 19:30h
Celebrante: Pe. Romildo
Liturgia: Shalom do Pai
Acolhida: VPJ e Terço dos Homens
28 de Janeiro (Sexta) 5º DIA DE NOVENA
* 06:00h
Celebrante: Mons. Luís Pescarmona
Liturgia: Carmelitas
* 16:00h
Celebrante: Pe. Heriberto Gomes
Liturgia: Ministério Ágape
Acolhida: EC, Bom Pastor
* 19:30h
Celebrante: Pe. Germano Alves
Liturgia: Paróquia de Caiçara
Acolhida: Apostolado e Carmelitas
29 de Janeiro (Sábado) 6º DIA DE NOVENA
* 06:00h
Celebrante: Pe. Paulo José
Liturgia: Com. Sagrada Família (Juá)
* 16:00h
Celebrante: Diáconos permanentes e Aspirantes
Liturgia: RCC (Resp. Marquinhos e Equipe)
Acolhida: RCC
* 19:30h
Celebrante: Pe. Anselmo
Liturgia: Paróquia de Pirpirituba
Acolhida: ECC, EC e Bom Pastor
30 de Janeiro (Domingo) 7º DIA DE NOVENA
* 08:30h - Missa Dominical (Irradiada) – Dom Lucena
Equipe de Liturgia: Shalom do Pai
* 16:00h - Missa e Novena – Mons. Luís Pescarmona
Equipe de Liturgia: VPJ
* 19:00h - Novena (Irradiada)- Pe. Paulo José
Equipe de Liturgia: Coral Opus Domini
Acolhida: ECC
31 de Janeiro (Segunda) 8º DIA DE NOVENA
* 06:00h
Celebrante: Mons. Luís Pescarmona
Liturgia: Carmelitas
* 16:00h
Celebrante: Pe. José Antônio
Liturgia: Luz das Nações
Acolhida: Apostolado e Carmelitas
* 19:30h
Celebrante: Pe. Gaspar Rafael
Liturgia: Com Jesus há Esperança
Acolhida: Com Jesus há Esperança
01 de Fevereiro (Terça) 9º DIA DE NOVENA
* 06:00h
Celebrante: Pe. Paulo José
Liturgia: Carmelitas
* 16:00h
Celebrante: Pe. Marcos Antônio Paulino dos Santos
Liturgia: N. Sra. das Graças
Acolhida: Mãe Rainha
* 19:30h
Celebrante: Mons. Nicodemos
Liturgia: ECC
Acolhida: ECC, Bom Pastor
02 DE FEVEREIRO – DIA DE NOSSA SENHORA DA LUZ
* 08:30h – Missa Solene
Celebrante: Dom Lucena (Bispo diocesano)
Equipe de Liturgia: Coral Opus Domini
* 16:00h – Procissão e Missa Campal
Celebrante: Dom Lucena (Bispo diocesano)
Equipe de Liturgia: Coordenação das Liturgias

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

PASCOM PREPARA MUTIRÃO REGIONAL

As coordenações da Pastoral da Comunicação das 21 dioceses do Regional Nordeste 2 preparam o 4o Mutirão Regional de Comunicação, que será realizado no período de 27 a 30 de outubro deste ano, em Maceió (AL).
No dia 27, à noite, após a solenidade de abertura, haverá uma conferência sobre o tema do Mutirão: "Processos de comunicação e mídias digitais: evangelização em tempos de cibercultura". No dia 28, durante todo o dia serão oferecidas 15 oficinas. No dia 29, pela manhã, serão realizados oito seminários e, à tarde, apresentação de trabalhos acadêmicos relacionados à comunicação. No dia 30, pela manhã, acontecerão mesas redondas. O evento se encerrará no domingo, 30, ao meio-dia.
"O 4º Mutirão trará novidades em relação aos anteriores. Neste, está programada uma feira de exposições, com produções midiáticas; haverá o lançamento da Agência de Notícias do Regional Nordeste 2, e, também, haverá premiação para mídias católicas em destaque", explica Cacilda Medeiros, articuladora regional da Pascom.

sábado, 1 de janeiro de 2011

DIOCESE DE GUARABIRA: SOLENIDADE DE MARIA MÃE DE DEUS E 44º DIA MUNDIAL ...

DIOCESE DE GUARABIRA: SOLENIDADE DE MARIA MÃE DE DEUS E 44º DIA MUNDIAL ...: "Cidade do Vaticano, 1° jan (RV) - Bento XVI presidiu, na manhã deste sábado, na Basílica de São Pedro, a celebração eucarística da Solenid..."

1º DE JANEIRO: DIA MUNDIAL DA PAZ E DIA DA FRATERNIDADE UNIVERSAL


No dia 4 de janeiro de 1965, o papa Paulo VI visitou a Organização das Nações Unidas (ONU), na sua campanha e esforço para reconstruir a paz mundial. Ao se dirigir aos países-membros dessa Organização, ele pediu: "Deixai cair as armas de vossas mãos!". Três anos depois, esse mesmo pontífice, instituiu o Dia Mundial da Paz, - a ser comemorado a 1o de janeiro em todas as igrejas católicas do mundo -, dia em que todos os cristãos são incentivados a rezar para que a humanidade encontre o caminho da justiça e da paz e para que todos os povos abandonem as armas e se reconheçam e vivam como irmãos.

No Brasil, o marechal Deodoro da Fonseca, após proclamar a República, em 1890, decretou o dia 1o de janeiro como feriado nacional para ser celebrado como o Dia de Paz Nacional.
A paz é um sonho bem antigo da humanidade; embora seja simples de se obter, está cada vez mais longe de se realizar. O estilo de vida materialista adotado pelo ser humano gerou cada vez mais a ganância e a desigualdade, reconhecidas como principais fatores de impedimento para a convivência fraterna e pacífica mundial.

No Dia Mundial da Paz de 1995, o papa João Paulo II enviou uma mensagem à ONU, na qual abordou o tema "Mulher: educadora da paz", deixando claro que educar para a paz significa abrir as mentes fechadas e os corações aos valores humanitários, como fundamento para uma sociedade pacífica, firmada na verdade, na justiça e no amor. Assim, a Paz é um projeto educativo que leva o ser humano a assumir responsabilidades por toda a vida; portanto, deve ser também assumido como um projeto inacabado, para que seu alicerce seja reforçado a cada instante.

Por ocasião do Grande Jubileu de 2000, o papa João Paulo II escolheu como tema das festividades a frase "Paz na terra aos homens por Deus amados". Os festejos recordaram o nascimento do Príncipe da Paz, que veio para redimir, curar e restabelecer o amor, vínculo da fraternidade e da paz. A Igreja católica deseja que as guerras não mais sejam o caminho para solucionar problemas existentes entre os países, já que, com armas, só se pode destruir e não construir.

O Dia da Fraternidade Universal é também comemorado em todo o mundo.
Tradicionalmente há uma vigília na noite de 31 de dezembro, ou seja, o réveillon, nome popular, do francês dado à celebração da passagem de ano. No Brasil, foi instituído pela lei no 108, de 29/10/1935.

Referência:

SOLENIDADE DE MARIA MÃE DE DEUS E 44º DIA MUNDIAL DA PAZ



Cidade do Vaticano, 1° jan (RV) - Bento XVI presidiu, na manhã deste sábado, na Basílica de São Pedro, a celebração eucarística da Solenidade de Maria Mãe de Deus e 44° Dia Mundial da Paz.

O Santo Padre, em sua homilia, fez um apelo às nações para que se empenhem pela paz no mundo e pelo respeito da liberdade religiosa.

"Ainda envolvidos no clima espiritual de Natal, em que contemplamos o mistério do nascimento de Cristo, hoje celebramos com os mesmos sentimentos a Virgem Maria, que a Igreja venera como Mãe de Deus, enquanto deu corpo ao Filho do Pai Eterno" – frisou o Papa.

"A Igreja pede ao Senhor para que abençoe o novo ano que se inicia, consciente de que, diante dos trágicos acontecimentos que marcam a história, diante das lógicas de guerra que infelizmente ainda não foram superadas, somente Deus pode tocar o coração humano e assegurar esperança e paz à humanidade" – ressaltou ainda o Santo Padre, que acrescentou:

"Está consolidada a tradição, que no primeiro dia do ano a Igreja, espalhada por todo o mundo, eleve uma uníssona oração para invocar a paz. É bom iniciar um novo caminhar andando com decisão em direção à paz. Hoje, queremos recolher o grito de tantos homens, mulheres, crianças e idosos, vítimas da guerra, que é o rosto mais horrível e violento da história. Rezemos hoje para que a paz, que os anjos anunciaram aos pastores na noite de Natal, possa chegar a todos os lugares: "paz na terra aos homens de boa vontade" (Lc 2,14). Por isso, especialmente com nossa oração, queremos ajudar cada pessoa e cada povo, sobretudo aqueles que possuem responsabilidade de governar, a trilhar sempre de um modo decisivo no caminho da paz" - sublinhou o pontífice.

Bento XVI frisou que "é no nome de Maria, Mãe de Deus e dos homens, que a partir de 1º de janeiro de 1968 se celebra em todo o mundo o Dia Mundial da Paz. A paz é dom de Deus, como ouvimos na primeira leitura: O Senhor nos dê a paz (Nm 06:26). Esse é o dom messiânico por excelência, o primeiro fruto da caridade que Jesus nos doou, é a nossa reconciliação e pacificação com Deus. A paz é também um valor humano a ser realizado no plano social e político, mas tem suas raízes no mistério de Cristo".

O Santo Padre recordou que em sua mensagem para o 44° Dia Mundial da Paz, celebrado hoje, intitulada "Liberdade religiosa, caminho para a paz" que "o mundo precisa de Deus; precisa de valores éticos e espirituais, universais e compartilhados, e a religião pode oferecer uma contribuição valiosa na busca da paz, para a construção de uma ordem social e internacional justa e pacífica".

O Papa acrescentou que "diante das ameaçadoras tensões do momento, diante especialmente das discriminações, arbitrariedades e intolerâncias religiosas, que hoje agridem particularmente os cristãos, mais uma vez renovo o convite para que não cedam ao desânimo e à resignação. Exorto a todos para rezar a fim de que chegue a bom fim os esforços realizados em toda parte para promover e construir a paz no mundo. Para esta difícil tarefa não bastam palavras, é necessário o empenho concreto e constante dos responsáveis das nações, mas é sobretudo necessário que cada pessoa esteja animada pelo autêntico espírito da paz, que deve ser implorado sempre na oração e vivido nas relações diárias, em todo ambiente".

Bento XVI concluiu sua homilia ressaltando que "a Virgem Maria nos doa seu Filho, nos mostra o rosto de seu Filho, Príncipe da Paz: que ela nos ajude a permanecer na luz deste rosto, que brilha sobre nós para que possamos redescobrir toda a ternura de Deus Pai. Que Maria nos ajude a invocar o Espírito Santo, para que renove a face da terra e transforme os corações, dissolvendo a sua dureza diante da bondade do Menino, que nasceu para nós. A Mãe de Deus nos acompanhe neste novo ano e obtenha para nós e para o mundo inteiro o desejado dom da paz". (MJ)